UTI Geral do HSC conquista resultados importantes na redução da infecção

Postado por admin

A equipe multidisciplinar da UTI Geral, uma das Unidades de Tratamento Intensivo do Hospital Santa Catarina (SP), tem muitas razões para comemorar. Nos últimos meses, a equipe conseguiu zerar o número de infecções de trato urinário associado à sonda vesical de demora e os casos de pneumonia associada à ventilação mecânica. A equipe também conseguiu reduzir em 38% a incidência de infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central, sem nenhum caso registrado desde janeiro de 2016.

Os resultados foram conquistados após a implantação de algumas iniciativas viculadas ao Salus Vitae, programa com foco na segurança do paciente coordenado pela Diretoria Corporativa de Saúde, Medicina e Segurança do Paciente, em parceria com o Institute for Healthcare Improvement – IHI. Alguns profissionais da UTI Geral do Hospital Santa Catarina integram a “Colaborativa”, iniciativa do Salus Vitae cuja meta é reduzir 50% das IRAS (Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde) associadas a dispositivos invasivos em 14 UTIs adulto da ACSC. As Casas tiveram autonomia para definir suas próprias metas. No Hospital Santa Catarina, o grupo se baseou na série histórica e considerou desafiador a redução de 30%, com possibilidade de revisão a cada seis meses.

Para a enfermeira Raisa Beatrice Mourão Novo, que participa do programa, o engajamento da equipe foi fundamental para a conquista dos resultados. “O benefício primário é a redução do sofrimento do paciente. Mas entre os benefícios secundários, podemos listar a melhoria em vários processos, o envolvimento e engajamento da equipe multiprofissional, tanto assistencial quanto administrativa, que vêm encorajando e estimulando o profissional da ponta, que muitas vezes se sente fora do processo, quando na verdade ele é um dos principais elementos do cuidado seguro”, diz.

Raísa destaca o resultado como um comprometimento da Instituição para com o paciente, mas também como um dever e obrigação diária de todos os profissionais envolvidos no cuidado com o paciente. “Ninguém entra num hospital para contrair uma infecção. Nosso trabalho é contínuo, não acaba quando o projeto chega ao fim e isso é algo muito importante a ser considerado e entendido por cada membro da equipe. Ética e clareza no que fazemos certamente é algo individual, porém acredito que demonstrá-las pode mudar posturas e envolver equipes”, ressalta.

O próximo passo agora é evitar a zona de conforto e manter o comprometimento com o trabalho multidisciplinar desenvolvido por todos os profissionais da equipe. “Temos muito trabalho a fazer. Identificar diariamente problemas em potencial que podem prejudicar o paciente, testar novas ideias que possam acarretar em melhorias no cuidado e aumentar a adesão à higiene das mãos, que é sabidamente a melhor e mais barata forma de evitar infecção. São tarefas contínuas e precisam estar constantemente em foco”, afirma Raísa.

O Salus Vitae é um programa de capacitação com foco na redução do sofrimento e na segurança do paciente. O programa tem por objetivo reforçar a segurança do paciente como uma prioridade estratégica na ACSC, com base na promoção do cuidado seguro, efetivo, eficiente e centrado na pessoa. O propósito é aprimorar ainda mais os trabalhos já executados pelas Casas em prol da segurança do paciente, por meio de mudanças de práticas, atitudes e comportamentos, e com base no melhor conhecimento científico disponível. O programa teve início em junho de 2015 e terá duração de 18 meses. Atualmente participam do Salus Vitae as Casas de Saúde da ACSC, além do Residencial Santa Catarina e do Lar Madre Regina.

2016.05.11



Sem Comentários

714 Visualizações

Deixe um comentário :