Saiba como auxiliar os idosos em quarentena durante a pandemia

Postado por admin

Em época de pandemia, as famílias estão preocupadas com seus idosos, que neste momento precisam ficar em casa para reduzir o risco de contágio. As pessoas com mais de 60 anos são mais vulneráveis, inclusive ao novo coronavírus, e uma das causas é a imunossenescência, ou seja, capacidade de resposta imunológica mais baixa. Além disso, grande parte dos idosos são portadores de doenças crônicas como diabetes, hipertensão e condições pulmonares, conhecidas como comorbidades, que aumentam o risco de complicações clínicas.

Assim como acontece com a população em geral, os cuidados básicos para prevenir a Covid-19 são os mesmos para os idosos: isolamento social, lavar as mãos com frequência, evitar colocar as mãos no rosto e manter o calendário vacinal em dia. Estamos em plena campanha nacional de vacinação contra a gripe, que foi antecipada pelo Ministério da Saúde. A imunização não protege contra o coronavírus, mas ajuda a prevenir outras doenças respiratórias virais muito frequentes nessa época do ano, e pode reduzir a procura por hospitais.

Atenção aos sintomas da COVID-19 nos idosos

Quanto aos sintomas, é fundamental que familiares e cuidadores estejam sempre atentos ao comportamento dos mais velhos, pois muitos não apresentam os sintomas mais comuns quando são acometidos por um quadro gripal, como febre, tosse e falta de ar. Muitas vezes, os idosos podem apresentar outros sintomas, tais como:

– Confusão mental

– Agitação

– Alteração no sono

– Irritabilidade

– Prostração

Outro ponto de atenção diz respeito à organização dos medicamentos. Se eles estiverem em algum tratamento médico, é importante que a família deixe os remédios organizados na ordem em que devem ser tomados e dentro das caixas originais, pois alguns medicamentos, quando retirados do invólucro de segurança, podem perder a eficácia.

Quanto à alimentação, segundo a geriatra do Hospital Santa Catarina (SP), Dra. Marcia Oka, é importante que os filhos ou cuidadores garantam que o idoso terá todos os alimentos necessários para se manter saudável. “O ideal é fazer cinco refeições ao dia: café, almoço e jantar, intercalados com lanches. O prato deve ser colorido, incluindo legumes, verduras, frutas, proteínas e carboidratos”, afirma a especialista.

A atenção à hidratação é outro fator importante, pois muitas vezes, o idoso não tem sente sede. “Recomenda-se beber de 1,5L a 2L de água por dia para evitar a desidratação, a depender das comorbidades, pois normalmente os idosos sentem menos sede, e isso pode dificultar a resposta do corpo diante de um problema de saúde. Mas, de preferência, ingira líquidos só até as 18h, para evitar a vontade de urinar durante a madrugada”, completa a Dra. Oka.

Acompanhamento virtual é fundamental

Para que a família esteja a par das queixas e dificuldades dos idosos durante a quarentena, é essencial manter contato frequente por telefone e chamadas de vídeo. Com o monitoramento virtual, também é possível dar atenção a sentimentos como solidão, tristeza e sensação de abandono, que podem levar a um quadro de depressão. “As crianças são fundamentais nesse processo, pois estão mais familiarizadas com as ferramentas digitais e podem trazer conforto e alegria para o vovô e a vovó. Incentive-os a iniciar uma leitura, jogos, filmes ou até mesmo um curso online”, afirma a geriatra do Hospital Santa Catarina.

Outro ponto importante são os exercícios físicos, já que, naturalmente, os idosos perdem massa muscular nesse ponto da vida, o que pode gerar fraqueza. O contato com um personal trainer não é recomendado durante o isolamento, mas existem muitos vídeos instrucionais na internet ensinando a aproveitar o espaço da sua casa para fazer exercícios funcionais, yoga e caminhada, mesmo que seja pelo quintal. “No entanto, vamos lembrar que, em grande parte, as quedas de idosos ocorrem dentro da própria casa. Por isso, é importante ter um ambiente adaptado, com banheiro com piso antiderrapante e barras para apoio, e evitar o uso de tapetes, assim como fios soltos pela casa”, conclui a Dra. Márcia Oka.

2020.04.28



Sem Comentários

32 Visualizações

Deixe um comentário :