Planeje suas finanças e comece 2019 com o pé direito

Postado por admin

Todo início de ano, a mesma história se repete: 13° salário na mão, férias à vista e, do outro lado, uma pilha de contas para pagar, que incluem uma série de impostos, matrícula e mensalidade escolar, seguro do carro, financiamentos, dívidas acumuladas no Natal, além de novos projetos e sonhos a conquistar, como um novo carro, casa, curso ou até mesmo a viagem dos sonhos…

Afinal, é possível fazer um planejamento financeiro responsável e iniciar o ano sem a corda no pescoço? Nós conversamos sobre o assunto com o economista e professor Marcos Silvestre*, responsável pela coordenação do PROFE Coopercredi ACSC – Programa de Reeducação e Orientação Financeira e Empreendedora da Cooperativa de Crédito da Associação Congregação de Santa Catarina.

Para o professor, mesmo diante de um cenário econômico mais positivo à frente, a cautela ainda é o mantra a ser praticado por todos que almejam a prosperidade financeira. Ele lembra que “gastar é, acima de tudo, uma escolha” e que “a vida financeira é difícil para quem faz escolhas fáceis, mas pode ser fácil para quem está disposto a encarar escolhas difíceis, mas corretas para prosperar”. Leia a entrevista completa:

– Como fazer um planejamento financeiro pensando em 2019?
Para conquistar prosperidade sustentável, é preciso encarar três verdades em nossa vida financeira: 1) Gastos mais econômicos: aprender a planejar e controlar os gastos, (re)organizando o orçamento pessoal e familiar;2) Dívidas mais prudentes: aprender a substituir as contas mais caras e nocivas por dívidas saudáveis, como o crédito cooperativo;3) Investimentos mais dinâmicos: planejar-se para poupar e aplicar todos os meses, priorizando investimentos acessíveis que remuneram melhor, com os RDCs das cooperativas de crédito, ou mesmo os planos de previdência privada que elas oferecem.

– Com o 13° salário na mão e previsão de férias, carnaval etc., que cuidados as pessoas devem ter para não se endividar logo no começo do ano?
O mais importante é evitar se empolgar com a euforia consumista da época de Natal e virada de ano. 2019 trará, como de costume, as tradicionais despesas concentradas de todo começo de ano. O ideal é prever e planejar estes gastos concentrados. Quem ganha 13º salário deve guardar, pelo menos, metade para ajudar nas contas concentradas do começo do ano. Quem não tem este benefício, deve “fabricá-lo para si”. Como fazer isso? Formando uma reserva estratégica para as contas de virada, poupando, entre os meses de fevereiro a novembro, o equivalente a 5% da sua renda mensal livre. Isso resultará em uma reserva correspondente a metade de um mês de ganhos normal.

– Que despesas e custos podemos cortar do orçamento?
Devem ser enxugadas todas as despesas que agregam menos para a qualidade de vida da família. A avaliação do que é “menos impactante” é muito subjetiva, porém há algumas despesas que podemos generalizar, como gastos com multas, juros de dívidas mal planejadas e vícios em geral.

 – Ainda vale a pena ter carro hoje em dia? Ou podemos aplicar melhor esse dinheiro?
Um carro básico, muito simples, pode custar cerca de R$ 800,00 mensais para manter, considerando todas as despesas a ele associadas (IPVA, seguro, manutenção, estacionamento, combustível, etc.). Supondo que o carro já é seu e está quitado (situação pouco comum, já que 7 a cada 10 compradores de automóveis no Brasil financiam sua aquisição), a cada ano, gastam-se quase R$ 10 mil para manter um modelo básico. Considerando que seu valor de aquisição como 0km é de cerca de R$ 30 mil, concluímos que a cada três anos, o proprietário gasta outro automóvel igualzinho ao seu apenas para mantê-lo. A regra geral de bom senso financeiro é: escolha a opção de menor gasto pelo benefício que proporciona e que, naturalmente, esteja dentro das suas possibilidades de orçamento.

– Qual é a perspectiva econômica para 2019?
Positiva, teremos reformas que darão um tom mais liberal à economia. Não esperemos “milagres” econômicos, mas melhorias graduais se avistam com propostas de reformas (maiores aqui, menores ali) em diversos setores.

– Considerando essas perspectivas, as pessoas devem ter mais cautela em seus gastos e aplicações? Qual é a orientação?
A cautela nos gastos, dívidas e aplicações deve ser uma atitude básica para toda pessoa que deseja conquistar a prosperidade financeira. Isso não depende de conjuntura macroeconômica, depende de compromisso pessoal com a prosperidade!

– Quais são os investimentos mais indicados? Tesouro direto ainda é uma boa opção?
O melhor investimento é o FIF: Faça Investimentos Frequentes! Planejando o orçamento pessoal e familiar para poupar e aplicar todos os meses, a pessoa/família vai ganhando autoestima financeira e aprendendo, cada dia mais, sobre novas opções de investimentos. O Brasil apresenta, dentre as maiores economias do mundo, o mais amplo acesso do micro e pequeno aplicador às mais diversas modalidades de investimentos, com diferentes combinações de risco e retorno: se houver capacidade mensal de poupança, boa opção de investimento (como o Tesouro Direto, por exemplo, ou os RDCs – Recibos de Depósito Cooperativo), não faltará.

– Quais são as dicas para um bom planejamento financeiro a curto, médio e longo prazo?
Gatar mais e mais é, acima de tudo, uma escolha de cada pessoa/família, e uma escolha que ataca frontalmente a busca da prosperidade sustentável. Acreditar que é necessário sempre “gastar mais para viver melhor” nos afasta do esforço muito mais produtivo de “gastar melhor para viver melhor”. A sabedoria nas escolhas das decisões de gastos, no final das contas, terá muito maior impacto nos caminhos de prosperidade das pessoas do que apenas ter mais dinheiro para gastar.

– Para aquelas pessoas que têm dificuldades em economizar, na sua opinião, quais as são os principais pontos a serem trabalhados para melhorar a organização do dinheiro?
Se tem dificuldade em economizar, saiba que viverá dependente das dívidas mal planejadas e longe dos investimentos dinâmicos. Isso tem de mudar. Adquira Educação Financeira e Empreendedora e transforme seu caminho de prosperidade. A vida financeira é difícil para quem faz escolhas fáceis, mas pode ser fácil para quem está disposto a encarar escolhas difíceis, mas corretas para lhe fazer prosperar.

*O Prof. Marcos Silvestre é economista pela USP, com MBA em Bancos, Finanças e Controladoria pela FIPECAFI. Pensador e educador focado em sabedoria, transformação e prosperidade, desde 1991 é diretor da EKNOWMIX® Educacional. Fundador e coordenador do movimento educacional Vamos Prosperar® e do movimento filantrópico Vamos Partilhar®, é Mentor do Clube de Coaching LifeTurn® do PROVE® e do Clube de Coaching Money® do PROFE®. Marcos Silvestre é autor de diversos bestsellers educativos e comunicador da BandNews FM, apresentando os programas Na Ponta do Lápis, que aborda Economia Popular e Finanças Pessoais, e Por Conta Própria, que trata de Empreendedorismo e Gestão da PME. Desde 2007, o Prof. Silvestre coordena o PROFE® Coopercredi ACSC | Programa de Reeducação e Orientação Financeira e Empreendedora da Cooperativa de Crédito da Associação Congregação de Santa Catarina.

2019.01.07



Sem Comentários

256 Visualizações

Deixe um comentário :