Médica do HSI realiza pesquisa inédita envolvendo 50 mil pessoas pelo mundo

Postado por admin

Uma pesquisa realizada pela neurocirurgiã Danielle de Lara, que atua no Hospital Santa Isabel (SC), reuniu dados de cerca de 50 mil pessoas da Europa, Estados Unidos, Japão e Brasil. O objetivo do estudo é entender como fica a qualidade de vida em pacientes submetidos ao tratamento de doenças cerebrais. O trabalho contou com o auxílio de duas colaboradoras: as doutoras Deisi Maria Vargas e Stephanie Lindner. “O objetivo desta pesquisa foi entender como fica a qualidade de vida das pessoas que necessitam fazer uma cirurgia do cérebro, como tumores cerebrais e traumatismos cranianos, visto que este é um assunto que vem crescendo bastante dentro da medicina”, explica a doutora Danielle de Lara.

Segundo ela, com os resultados obtidos, concluiu-se que certas doenças cerebrais e alguns tratamentos, quando associados às alterações hormonais investigadas na pesquisa, causam grande prejuízo à qualidade de vida desses indivíduos, independentemente de sexo ou idade. Essas complicações geram impacto não apenas na saúde física, mas também em características psíquicas e sociais, como aumento dos casos de depressão, maior índice de desemprego e menor índice de escolaridade.

Por outro lado, o estudo identificou que quando essas alterações hormonais são diagnosticadas e tratadas, seus efeitos negativos podem ser revertidos, melhorando de forma expressiva a qualidade de vida.  “Com esses resultados, nossa intenção é auxiliar os médicos a escolherem qual o melhor tratamento para seus pacientes, baseados não apenas em dados médicos, mas enxergando o paciente como um todo: um pai de família, um filho, um trabalhador, um estudante, entre tantas outras características que formam um indivíduo”, aponta Danielle.

A pesquisa foi apresentada recentemente por Danielle de Lara no Congresso Americano de Neurocirurgia da Base do Crânio, em Orlando, na Flórida. O propósito, de acordo com a especialista, foi entender como reagem estas pessoas após os procedimentos. “Sempre nos preocupamos em encontrar a melhor cirurgia, o melhor remédio, a melhor radioterapia, mas não sabemos como fica a qualidade de vida destas pessoas depois de todos estes procedimentos. Quais os custos pessoais relacionados aos tratamentos? O que podemos estudar para informar ao paciente como ele ficará após os procedimentos?”, observa a especialista.

Fotos da doutora:

2019.05.14



Sem Comentários

56 Visualizações

Deixe um comentário :