HST treina sua equipe sobre a Fase Hiperaguda do AVC

Postado por admin

Nos dias 14 e 15 de agosto, profissionais de diversas áreas e setores do Hospital Santa Teresa (RJ) receberam mais um treinamento de aperfeiçoamento das técnicas e condutas utilizadas no Protocolo de Atendimento de Acidente Vascular Cerebral (AVC). Colaboradores das Portarias, Atendimento, Farmácia, Fisioterapia, Laboratório, Centro de Imagens, Fonoaudiólogos, Técnicos de Enfermagem, Enfermeiros, Médicos, entre outros, participaram do encontro.

O enfermeiro Alessandro Rômulo Alencar, especialista em Terapia Intensiva Cardiorrespiratória e Controle de Infecção Hospitalar e mestrando em Ciências da Saúde, foi o responsável pelo treinamento. O tema foi a “Fase Hiperaguda do AVC”, que é a fase inicial do Acidente Vascular Cerebral.

“A fase hiperaguda é aquela em que o paciente chega à instituição e, segundo a metodologia científica, temos uma hora para atendê-lo, pois é a hora mais crítica. Essa hora é crucial, pois se perdermos tempo o paciente pode ficar com sequelas ou até morrer. Estudos mostram que cerca de 2 milhões de neurônios morrem a cada minuto, ou seja, o paciente é tempo dependente”, comenta.

“No treinamento aguçamos a equipe a colocar em prática os conhecimentos que eles já possuem para atender de forma diferenciada, com alto desempenho para salvar a vida do paciente. Os colaboradores do Santa Teresa estão muito envolvidos, participativos, com boa adesão, com destaque para a equipe da enfermagem, parabéns ao Hospital”, parabeniza.

Para aumentar a eficácia e segurança do atendimento ao paciente, a equipe do Plantão Médico conta, também, com um formulário padronizado desenvolvido pela enfermeira chefe do setor, Andressa Amaral. Neste formulário o enfermeiro informa os horários das medidas cabíveis que foram aplicadas, tais como: oxigenoterapia, hemoglucoteste, punção venosa, tomografia, exame laboratorial, administração de trombolítico e outros passos. “O Formulário do Protocolo Gerenciado de AVC direciona a equipe multidisciplinar em todas as suas ações, do cuidado inicial, avaliação até a administração do trombolítico”, explica a enfermeira.

O neurologista Carlos Bruno Nogueira, médico responsável pelo Protocolo no HST, explica a importância de manter a equipe treinada e engajada. “Com esses treinamentos constantes favorecemos o diagnóstico precoce do AVC, que tem um intervalo pequeno de tempo para tratamento. Cada minuto conta muito no desfecho funcional do paciente. Com isso, quanto mais cedo o reconhecimento do AVC, conseguimos um tratamento mais rápido, fazendo com que o paciente consiga retomar a sua vida com o mínimo ou nenhuma sequela. Quanto mais rápido sinalizar, mais eficaz será o tratamento, podendo ser identificado até mesmo antes da triagem”, finaliza o médico.

Treinamento sobre Protocolo de Atendimento de Acidente Vascular Cerebral (AVC)

2019.08.19



Sem Comentários

151 Visualizações

Deixe um comentário :