Equipe do HEC participa do 3º Fórum Latino-Americano de Qualidade e Segurança na Saúde

Postado por admin

A equipe do Hospital Estadual Central (ES) teve quatro trabalhos aprovados no 3º Fórum Latino-Americano de Qualidade e Segurança na Saúde, evento realizado entre os dias 27 e 30 de agosto no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Os artigos selecionados descreveram relatos de experiência de projetos que foram implantados no HEC e deram bons resultados. Um dos temas escolhidos foi “O processo de facilitação da comunicação com pacientes pomeranos”, que discorre sobre a criação de um guia de bolso com palavras, frases e expressões traduzidas da língua estrangeira para utilizar no atendimento ao paciente pomerano – originário da Pomerânia (região do Mar Báltico, entre a Alemanha e a Polônia) – com dificuldade em falar português.

No trabalho “Implementação do ambulatório de lesões cutâneas no Hospital Estadual Central”, foi apresentada a diminuição significativa dos riscos de infecção, do quadro e intercorrências devido ao maior tempo de internação do paciente, além da crescente adesão das orientações dadas na alta hospitalar e redução das internações recorrentes por complicações infecciosas, a partir da criação do ambulatório de lesões cutâneas. Esse modelo de atendimento realiza curativo especial com recursos e técnicas otimizadas, e por profissionais especializados, além do acompanhamento sistematizado das lesões.

O estudo “Projeto social ‘Um Pouco Mais’ no Hospital Estadual Central” teve como objetivo proporcionar acesso a curto prazo aos serviços e/ou equipamentos que poderão facilitar a continuidade do tratamento e a inserção do paciente na rede socioassistencial. O caráter inovador deste projeto é prestar assistência imediata ao paciente, no pós alta hospitalar e redução de reinternação. Para a realização do plano, são estabelecidas parcerias com instituições de ensino, religiosas, dentre outras.

O quarto trabalho aprovado aborda a temática “Impacto das ações para aumentar a adesão à higiene das mãos em uma Unidade de Terapia Intensiva de um hospital cirúrgico da Grande Vitória – ES”. O conteúdo aborda a reduzida adesão à higiene das mãos entre profissionais de saúde, sendo considerada a medida mais simples e de maior impacto na prevenção das infecções relacionadas à assistência à saúde. Através do método de observação direta do processo, são avaliados cinco momentos para higienização das mãos, de acordo com o protocolo da Organização Mundial da Saúde (OMS), em que o profissional do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) cumpre esse protocolo, totalizando 40 horas de observação dentro da UTI.

2017.08.30



Sem Comentários

369 Visualizações

Deixe um comentário :